-
Publicidade

Mulher que se negou a ser atendida por funcionários negros é liberada após audiência de custódia

8 de janeiro de 2018
284 Acessos

A mulher que se recusou a ser atendida por funcionários negros em uma delicatessen de Salvador foi liberada após audiência de custódia, neste domingo (7). A informação foi divulgada pelo Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA).

Como é ré primária e não apresenta antecedentes criminais, a liberdade provisória da suspeita foi concedida. De acordo com a decisão da juíza Luciana Amorim, a defesa alegou que a mulher sofre de transtorno mental de natureza incurável.

A decisão da juíza Luciana Amorim determinou que a mulher não poderá mudar de residência sem permissão da autoridade processante e deve comparecer todas as vezes que for intimada para atos do inquérito e da instrução criminal, sob pena de revogação da liberdade.

A suspeita também deve apresentar, em no máximo 60 dias, um laudo médico psiquiátrico a respeito da sanidade mental dela. Ela também não poderá ausentar-se da própria residência por mais de 30 dias, sem comunicar o local onde será encontrada.

Caso haja descumprimento das obrigações impostas pela juíza, a mulher poderá ter a prisão preventiva decretada. A suspeita estava detida na Central de Flagrantes desde a tarde de sábado (6).

Caso

O caso aconteceu no sábado, na delicatessen Bonjour, na Rua Rio Grande do Sul, bairro da Pituba, em Salvador. A Polícia Militar foi acionada após informações de que uma mulher estava fazendo ofensas racistas contra funcionários negros do estabelecimento.

No local, os PMs tentaram conter a situação, mas a mulher desacatou também o sargento comandante da guarnição do Pelotão de Emprego Tático Operacional (Peto) da unidade. De acordo com a PM, ela foi apresentada na Central de Flagrantes, onde a ocorrência foi registrada. Ela ficou detida até a audiência de custódia, realizada neste domingo.

Em nota, o estabelecimento informou que a cliente falou no local que não queria ser atendida no buffet por funcionários negros. Outra cliente interviu, partiu em defesa do grupo de funcionários e chamou a polícia. Ainda em nota, a delicatessen repudiou o ato racista da cliente.

“Reforçamos nossa extrema ojeriza a qualquer tipo de atitude preconceituosa. Há mais de 10 anos, desde a sua inauguração, que o staff da Bonjour é formado, em sua grande maioria, de trabalhadores negros – dos quais a Bonjour tem muito orgulho em tê-los em sua equipe. Repudiamos a atitude e esperamos que a mesma não se repita: seja ela em qualquer outra circunstância”.

( Fonte: G1/Bahia)

NEM TE CONTO

Festejos juninos acontecem em Salvador e em mais de 160 cidades do interior
Mais noticias
0 shares97 views
Mais noticias
0 shares97 views

Festejos juninos acontecem em Salvador e em mais de 160 cidades do interior

portbahiadez10 - 19 de junho de 2018 - 03:39:16

Mais de 160 municípios de diferentes zonas territoriais irão receber o apoio do governo estadual para a realização do São…

Bahia tem 86 mil agricultores inadimplentes com o crédito rural
Mais noticias
0 shares96 views
Mais noticias
0 shares96 views

Bahia tem 86 mil agricultores inadimplentes com o crédito rural

portbahiadez10 - 19 de junho de 2018 - 03:31:53

Apesar de válida há quase dois anos, a Lei Federal 13.340, de 28 de setembro de 2016, que autoriza a…

Rachadura em ponte preocupa motoristas na BR-101
Mais noticias
0 shares494 views
Mais noticias
0 shares494 views

Rachadura em ponte preocupa motoristas na BR-101

portbahiadez10 - 19 de junho de 2018 - 02:56:36

Uma rachadura que surgiu na BR-101, na ponte próxima à barragem Pedra do Cavalo, que fica sobre o Rio Paraguaçu,…

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Os comentarios sao de responsabilidade exclusiva de seus autores e nao representam a opiniao deste site.